Açaí | Planta Típica do Amazonas

Açaí | Planta Típica do Amazonas

Açaí | Planta Típica do Amazonas
O açaí é uma planta típica das florestas de várzea do Baixo Amazonas. Quando você viaja pelos rios que circundam a cidade de Belém, vê a paisagem toda emoldurada pelas folhas lisinhas e brilhantes do açaí.

O açaí é uma palmeira cespitosa, quer dizer, uma palmeira que cresce em touceiras (locais onde há agrupamentos de uma mesma espécie de planta). Só numa touceira pode-se encontrar uns vinte pés de açaí. O estipe, caule dessa palmeira, é bem ninho e chega à altura de 20 a 30 metros. Essa espécie, Euterpe oleracea, foi descrita por Von Martius, naturalista alemão que cou famoso no início do século XIX de tanto viajar pelo Brasil. Mas antes de Von Martius, conta a lenda que foi a índia Iaçá que descobriu que os frutos do açaí eram um excelente alimento. É uma história trágica:

Antes de existir a cidade de Belém, vivia lá uma tribo que sofria de falta de alimentos. Por isso, o cacique mandava sacrificar todas as crianças que nasciam. Por ironia do destino, sua lha, Iaçá, ficou grávida. Quando a criança nasceu, foi sacrificada. Durante dias, Iaçá rogou a tupã uma solução para acabar com o sacrifício das crianças. Foi quando ouviu um choro de um bebê do lado de fora de sua tenda. Era sua filha sorridente ao pé de uma palmeira. Iaçá correu para abraçá-la, mas acabou dando de cara com a palmeira. Iaçá ficou ali chorando até morrer. no dia seguinte, o cacique encontrou Iaçá morta, agarrada à palmeira, olhando fixamente para as frutinhas pretas. Ele as apanhou, amassou e fez delas um vinho vermelho encarnado. Para os índios, aquilo eram as lágrimas de sangue de Iaçá. Por isso, açaí, em tupi, quer dizer “fruto que chora”.

O açaí virou o prato principal dos índios da região. Depois, foram chegando os portugueses, os nordestinos, os japoneses. E o que se diz é que eles só ficaram porque experimentaram açaí. O açaí virou uma necessidade diária. Passou a fazer parte da identidade dessa nova tribo que hoje vive na cidade de Belém.

Durante todo esse tempo, o açaí vem sendo colhido pelos ribeirinhos. Quando chega na Feira do Açaí, é levado para lojas que transformam o fruto em vinho e abastecem toda a população de Belém. São 3 mil lojinhas e 150 mil litros de vinho consumido por dia! Belém é o maior centro consumidor de açaí do Brasil e, consequentemente, do mundo. Até que alguém, lá no sul, descobriu que o palmito de açaí substituía bem o palmito de juçara, que estava entrando em extinção na Mata Atlântica, e os nossos Açaizeiros começaram a ficar ameaçados. Isso foi nas décadas de 1960 e 1970. O palmito do açaí passou a funcionar como uma poupança para o ribeirinho. Mas para fazer um bom dinheiro, tinha que tirar muito pé de açaí, quase todos que encontrasse na sua propriedade.

O mercado de palmito de açaí passou a ser menos importante e os ribeirinhos perceberam que podiam ganhar mais dinheiro, e por mais tempo, explorando a fruta. Os Açaizeiros estavam salvos!